quarta-feira, 26 de junho de 2013

O anjinho Mim e o velhinho Sô Ridico

Para Yasmim, Mim, Mimim como diz seu Vô.



Mim e suas priminhas. Brincavam de boneca, ao fundo do quintal. Quando é fé, um bandinho de Sofrês passou para o quintal de Sô Ridico: vruuuruuup!
Mim colou o ouvido no muro: não houve tiro de espingarda nem nada. E se não se ouviu nada, sinal de que Sô Ridico nem seu cãozinho es-tavam em casa. E se eles não estavam em casa...
    Mim subiu no muro, garrou o galhão e se aninhou no pé de jabuticaba. Tof, tof, tof!, era jabuticaba, cada bichona assim, estalando no céu da sua boca. E ela atirava jabuticabas às priminhas.
   Atirava, porque ouviu o “au!, au!, au!” do Espoleta, o cãozinho de Sô Ridico. Não bastasse o “au!, au!, au!”, ouviu o “xap!, xap!, xap!” das pisadas do velhinho rídico, que não dava fruta a ninguém.
   Ai, ai, ai, São Gabriel! E agora? Espoleta latindo, esticando o pescocinho para ela, e o velhinho embaixo, espingarda ao ombro. Boca cheia de casca, o corpinho grudado no galhão, ela viu os Sofrês voando longe, no azul do céu. Jeito foi pedir a São Gabriel, e o socorro veio: o velhinho voltou para dentro com seu cãozinho.
   Pense numa coisa boa pra rir, que ela saltou e caiu de bundinha no chão... Pense também em que ela virou, quando o velhinho bateu na porta, chamando a sua mãe... Uma estatuazinha? Uma pedrona de gelo? Pode ser, mas Mim foi às nuvens, ao ouvir o velhinho: “Dona, toma aqui jabuticaba do meu melhor pezão... A senhora deve gostar, e sua menininha também”.
   Ufa! Mas Mim nunca ficou livre de uma coisa: o sorriso escondido, zombeteiro, que Sô Ridico lhe dava, assim que ela passava para ir à escola. O sorriso era o mesmo que lhe dizer: “Pensando que não te vi, roubando jabuticaba? Hã? Ah, menininha bonita!”.


27 comentários:

  1. Amigo MarcioBuriti, disfruté la niña y el anciano Ridico. ¿El abuelo sabía todo, eh? Abrazo.

    ResponderExcluir
  2. Que delícia de historinha essa, Marcio Buriti. Eu adoreieee! E ô...Adoro jabuticabas também.Bj. (Gall)

    ResponderExcluir
  3. Você é magnífico, esplêndido!! para mim, nada se iguala a ti, tens um dom de encantar-nos com teus textos, como jamais vi em algum poeta. Um abração.

    ResponderExcluir
  4. Quem na sua infância não fez coisas assim? Mas ninguém contaria tão bem quanto você Marcio. Bom demais ler você!

    ResponderExcluir
  5. rsrsrs... você me trouxe muitas memórias. Uma vez, fui 'pega' sobre o pessegueiro do vizinho. Todos os meus colegas o viram e fugiram, menos eu. Quando olhei para baixo, ele estava de mãos na cintura, e exclamou: "Até você, Ana Maria?" Fiquei passada, mas ele não contou nada à minha mãe. Adorei a história, Marcio!

    ResponderExcluir
  6. Márcio esse seu dom para escrever para criança me encanta.
    Lucimar

    ResponderExcluir
  7. Ai, que delícia as aventuras das suas personagens tão lindas e singelas, tão reais. Mais gostoso que jaboticaba madura!

    ResponderExcluir
  8. Expressar emoções é um dom.Você o faz muito bem.Sempre nos contagiando com contos sedutores e de grande enlevo.
    Parabéns pelas suas belas e sábias palavras! Inês

    ResponderExcluir
  9. Marcio gostei muito meus aplausos por mas um belo trabalho, uma história que nos prende a leitura de beleza magistral, parabéns mais uma bela obra.

    Maria Mendes

    ResponderExcluir
  10. Seus contos são formidáveis, Marcio. Quem já não passou por um aperto desses, quando criança???? (rss). Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Artimanhas de criança, quem não as fez um dia? A sua leitora, que lhe escreve no momento, fez uma traquinagem semelhante uma certa vez. Só que era para colher flores. Na hora estremeci, mas hoje ela faz parte de meu passado muito feliz.
    Adorei porque revivi minha infância querida.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Una obra maestra de la infancia, los robos de fruta en el jardín del vecino. La lectura que nos hace cerrar los ojos y volver a los albores de la vida. Beso, Marcio.


    Joan

    ResponderExcluir
  13. Uma maravilha de texto. Saudade da infância, agora. Meu beijo, Marcio.

    Renata V. Mathias

    ResponderExcluir
  14. Como é que não tinha lido este texto? Fantástico! Amei os personagens tão puros, mesmo com a avareza de Sô Ridico. Abraço, poeta Marcio.

    Sandra Regina Campos

    ResponderExcluir
  15. Demais! Já passando para ouvidos infantis aqui. Beijo, escritor maravilhoso.

    Ana Lúcia Oliveira R.

    ResponderExcluir
  16. Coisa mais boa, historinha da melhor de roubo de jabuticaba... Maravilha, Márcio! Voei na sua mágica, queridooooo. Bjo,

    ValériaTM

    ResponderExcluir
  17. Fantástico, fantástico, fantástico! oh, que vontade ser a sua Mimim... lindo demais. Beijo e beijo e beijo...rsrsrs.

    Darc Alcântara

    ResponderExcluir
  18. airoso texto, querido Marcio. Abracinho,


    Luana Varela, de Almerim.

    ResponderExcluir
  19. Marcio, e eu perdendo este texto, querido. Você é 10 de anjinho, rsrs. Beijo....


    Ana Cabral

    ResponderExcluir
  20. Sempre um prazer estar aqui. Você anjo com seus anjos de escrita. Lindo, voltei!


    Mapê César.

    ResponderExcluir
  21. Que pureza! Melhor que a gente viaja no texto... Muito legal!


    CarlosRodrigues.

    ResponderExcluir
  22. Que pureza! Melhor que a gente viaja no texto... Muito legal!


    CarlosRodrigues.

    ResponderExcluir
  23. Ahhhhh! As peraltices de criança!!! Nem me fale de pé de jabuticabas! Só quem já teve um no quintal e/ou na porta da cozinha sabe a felicidade de que ele é capaz! E você mostra isso magistralmente, querido Márcio!

    ResponderExcluir
  24. Que lindinha de história!!! Adorei...

    Marcela Dias

    ResponderExcluir
  25. Achei esse texto uma ternura, Buriti. Obrigado.

    Aguinaldo

    ResponderExcluir
  26. Maravilha!

    Aline Cordeiro

    ResponderExcluir
  27. Olhando o seu site vi esse texto bonito demais...

    Allan Teodoro

    ResponderExcluir

Que bom receber seu comentário! Ele será publicado. Obrigado!